Apropriação do trabalho: uma atitude de valor

Posted on Posted in Edição 28

Você certamente já ouviu falar dos valores TEACH. Trabalho em Equipe, Energia, Apropriação, Comunidade, Heart. Sabe quando é mais legal falar sobre eles? Quando os colegas da DeVry Educacional do Brasil colocam em prática.

Esse é o caso do Bruno Marinho Viana, estudante de Engenharia Civil e porteiro da DeVry | Fanor. Desde dezembro de 2016 na IES, nosso colega dá show na hora de apropriar das suas funções. E é desse valor, Apropriação, que queremos falar.

DSCN2972

O Marinho busca fugir do entendimento geral da função “cara-crachá”. Com experiência de 7 anos trabalhando com segurança, o colega utilizou dos conhecimentos anteriores para agregar à sua função. “Não sou religioso, é mais uma filosofia de vida: ‘o seu trabalho é uma forma de adoração a Deus’. Assim trato da mesma forma, estando junto ou não, colegas, alunos ou visitantes”.

O que o Marinho faz para isso? Ele sempre tenta oferecer o melhor de si para o trabalho. Na DeVry | Fanor, ele encontrou um espaço e a confiança para ter autonomia na hora de realizar o seu trabalho. Assim, consegue agregar, com felicidade, na sua rotina, segurança, fiscalização, solução de conflitos, monitoramento e horários. Não à toa, o colega ganhou mais funções, essas atribuídas por aqueles que convivem com ele: “Às vezes, sou ouvidor, conselheiro, psicólogo… Já me pediram até para entregar número de telefone”, fala o colega aos risos.

A atenção que dá ao seu trabalho gerou reconhecimento. Pais de alunos já registraram pelo Ouvidoria elogios à atuação do colega. E o que isso significa para ele? “É muito gratificante esse reconhecimento. É bom demais. Você sempre faz um pouquinho a mais, você pratica, você melhora e ganha a confiança das pessoas”.

Para o futuro, precisamente o segundo semestre, nosso colega, um fã de Construção Civil e da área de Segurança, tem um novo projeto: assumir um concurso que passou recentemente.

Mas, antes de se despedir, deixa uma mensagem que leva com ele, de aprendizado daqui, para o futuro: “Faça o necessário, depois o possível, e, de repente, você estará fazendo o impossível”.

O que você achou da prática dos valores pelo Marinho? Gostou? Tem exemplos na sua IES? Manda para a gente que você pode estar na próxima edição do DeVry Flow.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *